quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Tempo de ausência - Parte II













Logo depois que me assentei em meu apartamento tive que recuperar o tempo perdido desde a mudança até a busca por um apartamento. Fiz uma lista longa e prática com os meus acompanhantes de visitas e fomos correr para termina-las até o final do ano de 2009.

Os locais onde costumo fazer visitações são simples: alguns cheios de pedras e lama, outros caminhos de areia, mas todos são completos com sujeiras! Lugares complicados de caminhar a pé, mas que o autocarro (ônibus) não passa! Devem ser percorridos a pé! O pé sai todo empoeirado e cheio de sujeira, aqui faria todo sentido possuir lava-pés nas casas como no tempo de Jesus...rs
Chegamos as casas e todo o esforço é válido! As pessoas nos recebem com carinho e mesmo as que nos recebem relutantes a primeira vista, logo que começamos a conversar, o Espírito Santo age e nos tornamos amigas. Sempre pedem para que voltemos, mas não posso! Raramente volto nas mesmas casas. O trabalho é árduo e não temos pastores que possam auxiliar juntos o serviço! O que me obriga a voltar em necessidade extrema apenas!
O caminho continua e quando chega 18h30 temos que visitar as casas com mais atenção por causa do sol se pondo! Deixo sempre as noites para as constantes programações da igreja e para visitações de urgências que diariamente aparecem!
È fácil se deixar levar pelas casas que vamos visitar, e as vezes me dou conta que são 22h apenas quando a barriga começa a doer de fome! As pessoas te envolvem com a necessidade de Jesus de uma forma que te faz ficar lá orando e as ensinando sobre Jesus até que um sorriso se desponte em seus rostos!
A rotina foi grande e intensa. Muito cansativa, mas totalmente recompensadora! Conseguimos terminar grande parte das visitas e organizar outras para o começo desse ano por causa das férias de algumas pessoas!

As semanas seguintes foram cheias de presentes: Meu namorado, o Do, conseguiu comprar as passagens para passar duas semanas comigo aqui no Cabo Verde! Foi uma bênção porque pude passar as datas comemorativas pelo menos com parte da minha família por aqui!
Ele trouxe na bagagem cartinhas da família, a farinha de 15 grãos que minha mãe faz para mim, fotos da família e o abraço de cada membro que compõe o meu coração!
Minha rotina de trabalho teve que se manter a mesma por causa das datas comemorativas, então ele fez visitações comigo, participou de reuniões com os novos lideres de departamentos de 2010 e ainda conseguiu fazer vídeos e gravações para levar para vocês entenderem um pouquinho como é a vida por aqui! (Logo que terminar a edição entregará na igreja!).
Durante as duas semanas que ele esteve por aqui pude mostrar para ele um pouco da minha rotina, mas mais ainda, tranqüiliza-lo que meu assalto foi um caso isolado e usado para uma bênção maior: morar perto das duas igrejas que cuido!
Ele ficou alojado em vários locais: Casa do João, da Cleusa e do Luís (que me acolheram durante minha busca pelo apartamento) e quando estivemos na ilha do Fogo, na família de um teologando, o Gily, que faz faculdade no IAENE!
Todos foram muito gentis e carinhosos com ele o que o deixou impressionado! Os membros daqui nos tratam como de sua família! Passam bastante tempo nos fazendo se sentir em casa e nos abençoando com seu amor!
Pudemos passar o Natal com a família da Cleusa e de sua mãe Edith! Nos trataram como família e pudemos nos sentir melhor quanto à saudade de casa!
Na igreja aconteceu uma programação simples, mas muito gostosa e bem organizada! Poucas igrejas no Cabo Verde comemoraram o Natal. *Aconteceram palestras por aqui que informaram sobre o Natal ser uma data pagã.
Já no Ano novo passamos entre uma outra família muito querida na Ilha do Fogo! Lá participamos da programação da igreja local muito abençoada e conhecemos a casa a qual o pastor Eder Mascarenhas morou durante sua estadia aqui no Cabo Verde! Subimos o Vulcão e fizemos visita a uma família que perdeu no mar 2 filhos! Estavam muito abalados pelo fato de estarem comemorando datas de festa sem os filhos!
De qualquer forma foram momentos de muito amor e trabalho para o Senhor.

De volta à cidade da Praia pudemos entrar na rotina de pregações e programações da igreja e quando demos conta haviam acabado as duas semanas de visita do Do!
Deus me protegeu da imensa tristeza de ter que passar essas datas sozinha! Me trouxe uma alegria e ainda fez com que famílias substituíssem a minha durante essas datas!
Sinto imensa saudades de casa, mas sei que estou aqui para lembrar que Jesus também tem imensa saudade de nós. Quem sabe motivada dessa forma eu trabalho mais para diminuir esse tempo! Rs

Que Deus abençoe a cada um de nós!
Grande abraço cheio de saudades!


Aline




*Em um outro momento discorro melhor sobre esse assunto!

Um comentário:

  1. Amém por sua presença aí amiga.
    Oro dioturnamente por ti.
    mtos beijos

    ResponderExcluir